UA-66836926-1
08 jan, 2018

The End Of The F***ing World: muito mais do que adolescentes rebeldes

Primeiramente é preciso dizer que The End of The F***ing World não faz jus à nenhuma sinopse que você pode ler por aí. Nenhuma delas pode explicar a grandiosidade e complexidade do programa.

Vejamos: a série é baseada numa série de quadrinhos dum autor britânico chamado Charles S. Forsman e foi lançada em 2017 pelo Channel 4 e distribuída internacionalmente pela Netflix desde a última sexta-feira. E em qualquer  lugar que você, caro leitor, procurar informações sobre TEOTFW a ladainha apresentada será a mesma:

“James (Alex Lawther, de Black Mirror) ainda não sabe, mas está prestes a mudar de vida com a chegada de uma garota nova no seu colégio. Assim como ele, a novata Alyssa (Jessica Barden, de Penny Dreadful) também tem problemas em se relacionar com outras pessoas e se vira muito melhor sozinha. Aos olhos alheios, são apenas dois adolescentes estranhos, mas para eles, trata-se da parceria perfeita. E juntos, logo percebem que seguiram por um caminho sem volta.”

Que fique claro: TEOTFW não é uma comédia, TEOTFW não é um romace, TEOTFW é um drama. Um bom drama britânico sobre adolescentes, como só o Channel 4 sabe fazer.

Confesso que já tinha lido sobre a série –  como avisei anteriormente – não havia me interessado sobre a premissa apresentada. Porém a coisa mudou quando eu assisti o trailer lançado pela Netflix ~~ aaaaah o marketing ~~.

Em um rápido resumo sem spoilers, a série trata de dois adolescentes deslocados no mundo, com grandes problemas familiares e que devido a imaturidade (porque são adolescentes, entendam) decidem fugir daquela monotonia que vivem.

James quer fugir de um pai entusiasmado demais e busca de sentir algo. E Alyssa quer fugir da vida de aparências que leva com a mãe, os irmãos e o padrasto (com quem o desprazer da convivência é mútuo).

Nessa fuga muita coisa acontece, como o carro que explode, a invasão de uma casa e uma perseguição policial (que não vou contar os motivos para evitar spoilers – mas uma menção honrosa às detetives que estão no caso).

É preciso ressaltar que em TODOS os episódios há um adulto fazendo m*rda com os garotos, sejam abusos físicos, emocionais e até abusos sexuais (sim, no plural).

A constatação final é que fugir nem sempre é a solução e que na verdade não conhecemos nossos pais de verdade. Talvez o momento em que James teoriza que o provável motivo de seu pai sempre manter a casa barulhenta é que o silencio é muito mais doloroso, seja a resposta.

A série trabalha tanto com os diálogos entre James e Alyssa como com os monólogos dos pensamentos dos dois.

Confesso que há muito tempo que uma série não me deixava extasiada e impactada como TEOTFW me deixou na madrugada de sábado. Os episódios de cerca de 25 minutos passavam como se fossem 3. E o final me deixou atônita.

mais embasbacada que a Holly Golightly

Algumas cenas me lembraram outras séries como How I Met Your Mother (mais especificamente a cena de 500 Miles) e Good Behavior, série que pretendo apresentar aqui em breve.

Os pontos fortes da série são com certeza a trilha sonora, a fotografia e a química entre os protagonistas. E o ponto fraco, bem, penso que o desfecho da história foi tão “redondinho” que não creio que haverá uma nova temporada.

E você já assistiu? O que achou? Conte-me nos comentários.

Tags: ,

veja os posts relacionados

Deixe seu comentário